O prefeito Bruno Reis, nesta terça-feira (03), voltou a alertar sobre o risco que a população soteropolitana corre de pagar pelo o aumento da passagem de ônibus, caso a prefeitura não receba a assistência do Governo do Estado da Bahia.

"O estado da Bahia é o único que não dá desconto do ICMS do transporte público. Vamos deixar as questões políticas de lado e tratar o assunto com a seriedade que precisa, ou Salvador também vai ter colapso. A prefeitura não tem mais o que fazer. Já demos isenção de taxas, abrimos mão da outorga e ainda estamos colocando recursos de subsídio. Aí ou vai haver uma participação do governo do estado, ou não vai como resolver", disse.

No dia 31 de março deste ano, o prefeito já havia anunciado o aumento de 50 centavos do valor da passagem na capital baiana - ou seja, ela passou de R$4,40 para R$4,90. Segundo a nota emitida na época, a Prefeitura de Salvador estaria assumindo a responsabilidade de pagar o preço do aumento durante os meses de abril e maio, mas que, caso não recebesse o subsídio necessário, a partir do dia 1° de junho o reajuste pesaria no bolso da população.

"Na semana passada, tivemos uma reunião com o relator do projeto na Câmara, que estava concluindo o relatório para sair da comissão e ir ao plenário. Precisa aprovar o subsídio até para evitar o reajuste previsto pra 1º de junho. Precisamos vencer essa etapa na Câmara para que a gente possa sensibilizar o presidente para ter a sanção presidencial", concluiu.

VN